Aonde você mora?

Quero te contar sobre meu dia.

Hoje à tarde fiz aquele chá de gengibre com limão,

que arde até a alma e tomei, olhando a chuva bater na vidraça e escorrer.

Lembrei do chalé em Petrópolis e sua cara amarrada,

de quem fez uma viagem de carro por duas horas a contragosto,

só porque eu amo serra.

Você me perguntou o que me deixava tão alegre em um lugar daqueles,

frio e sem vida, com chuva, lama e sem nada para fazer,

mas eu senti o deboche em sua voz e não respondi.

Peguei meu livro do Jabor, arrastei aquela poltroninha cafona até à janela,

e me concentrei na leitura, deixando claro que a sua presença

não era bem-vinda.

Você me pediu uma resposta novamente e eu não dei,

acreditando no poder da sua intuição,

que eu tanto valorizava.

Depois daquele final de semana, não tive mais tempo para te responder.

Aquele Rafa que despenteava meu cabelo, ria do meu inglês, se foi.

Mas agora, eu respondo.

Com a mesma chuva.

Com o mesmo chá.

Com a mesma sensação que me sufoca há anos:

o que eu gostava era estar contigo.

Com aquela cabeça maravilhosa que selecionava apenas os momentos bons da vida.

Com aqueles olhos sempre otimistas para o futuro.

Com aquela boca que, além de beijar, sabia me direcionar com palavras.

Dizia para eu ficar bem.

Dizia para eu me superar.

Dizia para eu não esquecer que nenhum esforço será em vão.

Hoje, exatamente hoje, eu entendo suas palavras e conselhos.

A tristeza tem me visitado com certa regularidade, Rafa.

Zomba das minhas lágrimas e do meu positivismo forçado.

O mundo não é tão bonito como era quando você estava aqui.

Dele e das nossas esquinas, só restou uma saudade.

Uma eterna saudade.

E é nela que você mora.

 

Aryane Silva

 

 

Anúncios

2 comentários sobre “Aonde você mora?

  1. Aryane, apesar de tudo, e eu até entendo isso, você vai ver que no mundo existem diversos Rafas (daquele que você admirava) que ficam rondando a gente sem que percebamos que tudo que nos ronda é muito dinâmico. Se a gente prestar um pouco de atenção perceberá que aquela situação da serra poderia se repetir diversas vezes em outras condições e que esse Rafa não é o que foi idealizado para você. O Rafa reservado para você só pensará em vê-la alegre (em todos os sentidos e até nos mais bobinhos). Preste a atenção que existem sempre “rafas” na sua volta.
    Quando você menos esperar…
    Um beijo feliz,
    Manô

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s