In memorian

Na semana passada, enquanto tomava café da manhã, recebi uma notícia triste: o coordenador da minha faculdade havia morrido. Na hora, não consegui processar muito bem a notícia, porque era difícil acreditar naquilo. Na minha cabeça surgiam perguntas e porquês que eu não conseguia responder. Terminei de comer, mas aquela refeição não me caiu bem. Minha mente me transportava à última vez que nos vimos, no dia anterior. Continuar lendo

Anúncios

Última chance

Aham, acabou. Foi a última dose. Sem pena, remorso ou rancor. Nada me dói ou me desespera. Durou o tempo que foi necessário para que eu aprendesse a não acreditar em palavras macias e expectativas surreais. Te desejo sorte por aí, no que você queira, no que você plante, fale ou finja amar. Parabéns, curta sua vida cheia de pautas. Eu já te disse, não caibo em entrelinhas. Vá enganar-se, perder-se, iludir alguém que tenha o coração mole como o meu. Nao vou te sabotar. Aqui, apenas good vibrations. Vou seguir meu destino, viver como se fosse hoje, amar como se não houvesse amanhã, porque eu não sou dessas que querem um conto de fadas morno. Eu gosto do que pega fogo, me deixa sabores e uma boa impressão para lembrar no dia seguinte. Vai, segue tua estrada. Aqui fica a versão que te convém, mais polida, superficial, apressada no trato e no olhar.

Good lucky!

Aryane Silva

IMAGEM: Petra Collins (Pinterest)

Agora

Enquanto alguns já estão dormindo faz tempo, eu estou aqui, insistindo, persistindo, na esperança que você me leia, porque eu quero o teu sentir além do óbvio das palavras. Aliás, eu quero muitas coisas, que nunca foram ditas assim, tão abertamente. Saiba: eu detesto as entrelinhas e duplas interpretações.

Só te peço uma coisa, se me lê agora (ou se me ler amanhã, ou depois, ou depois…): pare o que estiver fazendo e me sinta. Lembre-se do perfume, do primeiro dia que você se deu conta que poderia dar certo. Eu não tenho as mãos frias e você sabe o que isso significa. Não leve em conta as circunstâncias, porque elas são mutáveis. E você sabe do meu signo e o quanto eu levo isso a sério.

Não quero ver o dia amanhecer porque eu faço isso, quase todo dia. Não é novidade. Não tem nada de bonito nisso. Mas eu queria te ver acordando. Desgrenhado, preguiçoso e sem defesas. Cru e amado. Experimentado por mim no corpo e na alma. Não sou o tipo de mulher que sonha até a última gota. Eu quero alguém que mate a minha sede de vida, de cama, de alegria. E eu sei de cor teus limites, os mais rígidos e os frágeis, impostos para que não sofra com um amor mal resolvido.

Estou indo dormir e te dando um abraço daqui, beijando seu pescoço para encontrar um pouco de paz, sentindo seu coração batendo de nervoso ao ler isso, apenas pensando no quanto seria bom acordar mais tarde e ver você ao meu lado.

Quem sabe. O mundo é gigante. E ele gira.

Aryane Silva

Via

​É, eu não sou mais a mesma. Confesso que ainda fico espantada quando escrevo e digo isso. Depois de muito pensar, percebi que andei em círculo durante muito tempo, levando comigo uma angústia teimosa, alimentando uma esperança cheia de metáforas clichês. É, eu mudei. Ou melhor, estou mudando. Eu precisei ter o coração machucado para me ver e conhecer o que tenho de bonito. Não está sendo fácil. Não é cômodo como eu pensei que seria, principalmente porque você ainda está do outro lado da corda. Mas eu resisto. Aprendi a negar muitas coisas para a minha vaidade, tão carente de surpresas agradáveis. Eu não sou mais aquela que ama sem medidas, sem retribuição, sem a alegria dos pequenos gestos. Entendi que não se trata da via e sim da vontade de duas pessoas em caminharem juntas. Isso serve para amigos e amores. E para você também. 

Aryane Silva

Imagem: Pinterest

Diálogos (quase) possíveis – história 14

Outubro de 2013:

Ela estava com o coração pesado, triste e, ao mesmo tempo, feliz, por trazer dentro de si um sentimento tão bonito. Mas sentia sozinha. Ou achava que sim. Como sempre fazia, pegou papel e caneta e decidiu desabafar. Escreveu, mais ou menos, trinta linhas. De rebeldia – e após uma crise de choro – publicou o tal texto desaforado.

No dia seguinte, recebeu um e-mail. Seu coração bateu de expectativa, mas o tal sorriso de ao ler o nome do remetente, desapareceu. A crônica acertou o alvo (ainda que esta não fosse a intenção da autora). A mensagem recebida acertou seu coração, e não foi de um jeito bom.

“Li seu texto. Estou confuso. O que está acontecendo com você? Acho que entendeu tudo errado.”

Dezesseis palavras. Ela leu, releu, julgou sua interpretação um tanto falha. Trocou as pontuações por outras, na tentativa de encontrar um erro semântico, que alterasse o teor daquele e-mail. Não tinha como. Era aquilo mesmo. Como dezesseis palavras têm o poder de acabar com o dia de uma pessoa? Não importava mais. O que sentia havia sido roubado, quebrado em mil pedacinhos. Respondeu com um pedido de desculpas, como se amar alguém fosse um grande erro.  Preferiu se afastar, se achou boba, chorou mais um pouco por ter entregue seu melhor para alguém que não deu importância. Continuar lendo

Como um sopro

Só para você saber: eu estou aqui e tenho lido coisas lindas. Não me refiro ao livro da minha cabeceira (esse assunto sempre rende), mas a palavras que procuro quando você não está.

Que medo! Que medo de meter o pé na porta errada ou chutar e não acertar. Ando nos arredores do seu coração, na ponta dos pés, segurando minhas imperfeições para não fazer barulho. Já pensou se passo e quebro alguma coisa? Eu já fiz isso, lembra? Não foi legal. Trago as cicatrizes emocionais até hoje. Continuar lendo

Uma história sobre empatia (ou a falta dela)

Há três meses, fui “achada” por uma colega dos tempos de colégio, em uma rede social. Tomei um susto quando ela me mandou uma mensagem, me chamando pelo apelido de infância. E, ao mesmo tempo, achei graça por ela ter lembrado disso, depois de quase vinte anos. Conversamos trivialidades, nada muito profundo, porque já passava das onze da noite e eu estava caindo de sono.

No dia seguinte, ela me mandou uma nova mensagem, querendo marcar um encontro. Achei estranho. Nunca tive intimidade com ela, nem éramos tão amigas assim. Mas ela queria me ver de qualquer jeito. Sugeriu vários lugares, alguns próximos, outros nem tanto. Respondi que estava almoçando, que pensaria em algum lugar legal e depois combinaríamos.

No segundo dia, após nosso reencontro virtual, ela me mandou mais uma mensagem, me cobrando o tal chopp, que eu sequer gosto. Percebi que ela não era do tipo de pessoa que insiste apenas três vezes. Eu estava lendo um livro de letrinhas minúsculas, quando recebi a mensagem. Respondi com um “ok, fechado”. E já comecei a sofrer, só de pensar em ter que sair de casa. Continuar lendo

É só com afeto mesmo?

Você deve ter lido este título e pensado: “como ela se atreveu? ”. Pois é, eu me atrevi. Aliás, sou atrevida, principalmente com as palavras. Vim aqui porque ando com a cabeça confusa, cansada de falar, observar, notar e não ter as respostas que preciso.

Para resumir e finalizar  o folhetim ultrarromântico, pergunto: é só afeto mesmo? Continuar lendo