Um quase trevo, um quase amor

Certo dia eu estava saindo de casa, quando reparei que no meu jardim havia uma planta que parecia um trevo, mas só tinha três folhas. Eu pensei: “nossa, é quase um trevo. Se tivesse só mais uma folhinha… Que pena”. Pedi para uma aluna abaixar e arrancar. Trouxe para dentro de casa e cometi um erro que, para mim, é gravíssimo.

Continue lendo “Um quase trevo, um quase amor”

Anúncios

Duas joaninhas

Há um mês que faço curso de astrologia. Minha professora, que é um amorzinho de gente, estranhou a minha seriedade. Na primeira aula, ela riu e disse que achava fofo o meu jeito focado (mal ela sabe que eu nunca serei fofa, talvez seja sua projeção pessoal). Estávamos via Skype, dei um sorriso amarelo e encerramos a aula.

Continue lendo “Duas joaninhas”

O mundo é fraco para o amor dos fortes

Hoje à tarde fui ao centro comercial do meu bairro, resolver algumas pendências. Confesso que não estava com muita vontade, mas tenho andado adepta a não adiar o que pode ser resolvido na hora. A rua cheia de pessoas, as marchinhas de carnaval ecoando nas lojas e a animação daquele mar de gente me fez um bem danado. Senti a energia positiva e efervescente daqueles que contam os dias para cair na folia. Passei por uma rua de paralelepípedos, abarrotada de gente e fantasias expostas e, em uma das lojas, ouvi uma música latina tocando. Sorri.

Parei para tomar um sorvete e ri para um bebê no colo de uma mulher que andava à minha frente. Alguma coisa o fez rir também. Na mesma hora, passei a mão nos meus cabelos, que soltos sempre despertam sorrisos em pequenos  que sequer falam. A criança estava com o olhar tão fixo em mim, que a mãe se virou. Ela sorriu e seguiu seu caminho. Pensei ” o que eu tenho que todo mundo está sorrindo hoje?“. Vi que o dia começou bem e supus que terminaria melhor ainda.

Até a hora de voltar para casa. Continue lendo “O mundo é fraco para o amor dos fortes”

A arte de se resgatar

 

Hoje eu recebi uma notícia que não esperava. Na verdade, eu meio que já sabia, mas eu andei tão acelerada nos últimos dias – não física, mas mentalmente – que acabei esquecendo. Então fui tomada pela surpresa (ou quase). Diferente das vezes anteriores, desta vez eu precisava pensar sobre o motivo de tanto desconforto. Parei e me perguntei: “em que momento eu me perdi que não percebi isso?”. Continue lendo “A arte de se resgatar”

Eu tenho que aprender a te deixar pra lá

Passei o dia inteiro ouvindo a mesma música, repetidas vezes. Não é um costume meu, bem sabes. Agora, antes de dormir, entendi o porquê: a música fala de nós dois.  Não te conheço o suficiente para saber se você acredita em destino e nas voltas que o mundo dá para atender aos caprichos de um Universo teimoso. Às vezes também desacredito. Às vezes olho para o céu e não vejo nenhuma estrela. Às vezes me pergunto por que ainda devo acreditar em tudo isso. Continue lendo “Eu tenho que aprender a te deixar pra lá”