Eu odeio o dia catorze de junho

Você acreditaria se eu dissesse que minha mala já estava pronta, naquela época? E que eu fiquei a centímetros da porta, mas perdi a coragem de sair? Eu não tinha certeza de nada, mas tinha vontade de tudo. Eu sabia o que e como fazer. Levei meses planejando, calculando os riscos, prevendo as consequências. E eu arcaria com o que precisasse. Eu teria força por nós dois, o que hoje eu sei que é meu maior erro. Continue lendo “Eu odeio o dia catorze de junho”

Anúncios

(Re)construção

Viver é uma queda inevitável, como andar em uma rua esburacada de salto agulha.

É listar uma série de tarefas para realizar no dia seguinte e procrastinar.

É apanhar e se curar sozinha, sem remédio ou sopro ou abraço.

Estar de pé é mais que uma necessidade. É uma afronta, um desafio no meio de gente caída. E você não pode estar lá. Não pode e não deve.

Viver é sorrir, porque explicar dá trabalho. E fazer o outro entender, mais ainda. Continue lendo “(Re)construção”

Parágrafo único

i_ain__t_missing_you____by_guitargirl94

Fechei meus olhos e me vi sentada no galho de uma árvore enorme, olhando um pôr do sol muito bonito. O céu estava alaranjado, típico de um entardecer de outono. Foi uma sensação tão gostosa, tão singular… E sempre que me imagino neste lugar, você não está lá; essa é minha única tristeza. Então eu tento puxar pela memória nossas lembranças quase mortas pelo tempo, tentando contextualizar o mesmo sentimento que tenho toda vez que visito aquele lugar. Penso no quanto perdemos com o orgulho e a necessidade de provar algo para outras pessoas. Contabilizar essas coisas todas dá muito trabalho. Custa muita reflexão e uma boa dose de desapego, que eu não sei se dou conta. Devíamos ter ido a um lugar bonito. Devíamos ter um cenário bucólico para ir quando os dias futuros doessem (como hoje). Eu tenho um, mas repito: você não está nele. Então sou obrigada a descer da árvore, virar as costas e te buscar na realidade que nos sobrou. Se eu pudesse mudar algo, seria isto. E te olharia com aquele mesmo amor que deixou você ir. Hoje eu não sei amar direito e a culpa é sua. Acho que novos amores me tirarão o chão de um modo negativo. E eu não tenho asas. Você me conheceu quando eu as tinha e, naquela época, meus olhos era infinitos. Eu me pertencia e esperava o bom das coisas e pessoas. Não sei se voltarei a ser assim um dia. Minhas vontades não são tão famintas como antes. Só preciso de paz e um lugar-abrigo para esperar a tempestade passar. Mas ela não passa nunca. Você também não.

Aryane Silva

IMAGEM: DEviantart

Um quase trevo, um quase amor

Certo dia eu estava saindo de casa, quando reparei que no meu jardim havia uma planta que parecia um trevo, mas só tinha três folhas. Eu pensei: “nossa, é quase um trevo. Se tivesse só mais uma folhinha… Que pena”. Pedi para uma aluna abaixar e arrancar. Trouxe para dentro de casa e cometi um erro que, para mim, é gravíssimo.

Continue lendo “Um quase trevo, um quase amor”

Duas joaninhas

Há um mês que faço curso de astrologia. Minha professora, que é um amorzinho de gente, estranhou a minha seriedade. Na primeira aula, ela riu e disse que achava fofo o meu jeito focado (mal ela sabe que eu nunca serei fofa, talvez seja sua projeção pessoal). Estávamos via Skype, dei um sorriso amarelo e encerramos a aula.

Continue lendo “Duas joaninhas”