Estatística

Quando eu fechei os olhos, antes de dormir
pensei que todos os meus problemas tinham acabado.
Mas, no dia seguinte,
ao acordar e abrir os olhos,
lembrei que era domingo,
que o coração ainda dói,
e que eu ainda não aprendi a amar.

Continue lendo “Estatística”

Anúncios

Uma pausa redundante (sobre o tempo)

Às vezes a gente quer um abraço,
outras, um copo.
Um tempo entre um e outro
e uma manhã de sono em dia.
Há quem não saiba para onde ir,
se precisa ficar e aguentar mais um pouco,
e seca as lágrimas na manga do casaco
fingindo que nada aconteceu, nada feriu.

Continue lendo “Uma pausa redundante (sobre o tempo)”

Agradecer [a graça descer]

A vida é muito rara. Muito. Ontem eu estava reclamando de um dedo com alergia provocada por uso de um anel vagabundo e hoje acordo com uma notícia triste. E, por trás dessa notícia, há uma pessoa que eu quero muito bem. E isso me fez voltar, por algum significado que ela jurou que eu tenho em sua vida. Continue lendo “Agradecer [a graça descer]”

Que me lê

Sou a favor de tentativas e insistências. Já desisti de coisas demais. E acredito que você, que me lê agora, também já tenha deixado muitas coisas para trás. Estamos muito longe, eu sei. E somos muito diferentes. Aqui chove e é domingo. Eu quis escrever. Desculpe, mas eu precisava escrever.

Em alguns momentos, enquanto escrevo, me acho muito egoísta. Falo de mim, dos meus sentimentos e sei que ninguém liga para isso. Mas não sei como falar de você, sem falar de mim. Tudo nasce aqui. Serei gentil a ponto de pular os clichês repetitivos de insônia e saudade. Das gavetas vazias e dos ombros cansados. Porque, no final de tudo, ninguém liga. Continue lendo “Que me lê”

Do que eu sei

------------------------------------------------------------------------------

Eu sabia que alguma coisa estava errada comigo. Acreditei ser o inferno astral que se vive um mês antes do aniversário. Deixei o café esfriar por diversas vezes e esqueci a porta aberta em dia de chuva. Não me lembrei de prazos e falei o que não devia. Abandonei o meu entusiasmo totalmente, deixei me chamarem no portão e não atendi. Esqueci o celular desligado. Não paguei a conta de telefone. A ração do cachorro acabou e eu não vi.

Pensei que era paixão, mas não é (desta vez). É a cabeça trabalhando sem parar, me mostrando algumas verdades que eu esqueci no fundo da gaveta. Continue lendo “Do que eu sei”