Que me lê

Sou a favor de tentativas e insistências. Já desisti de coisas demais. E acredito que você, que me lê agora, também já tenha deixado muitas coisas para trás. Estamos muito longe, eu sei. E somos muito diferentes. Aqui chove e é domingo. Eu quis escrever. Desculpe, mas eu precisava escrever.

Em alguns momentos, enquanto escrevo, me acho muito egoísta. Falo de mim, dos meus sentimentos e sei que ninguém liga para isso. Mas não sei como falar de você, sem falar de mim. Tudo nasce aqui. Serei gentil a ponto de pular os clichês repetitivos de insônia e saudade. Das gavetas vazias e dos ombros cansados. Porque, no final de tudo, ninguém liga. Continuar lendo

Sobre si

Ok, garota. Você já tem mais de trinta. Está longe de ser uma menininha indefesa. Aliás, nunca foi. Sempre foi observadora para ter certeza do próximo passo a ser dado. Nunca negligenciou um sentimento, por mais doentio que fosse. Guardou papéis de carta, de bala e alguns bilhetes. Escreveu cartas (muitas): rasgou a maioria delas por covardia. Virou escritora por valentia. Quis berrar para o mundo tudo o que guardou por anos, na memória e no coração. Continuar lendo

Siga sua alegria

 

i_carry_your_heart_with_me_by_kittify-davu2ia

Primeiro texto do ano.

Estou, desde onze da noite, tentando escrever algo que faça algum sentido e que seja tão espetacular, a ponto de me redimir pela ausência de posts nos últimos meses. Aí me dou conta de que não sou espetacular. Sou simples demais para subverter a literatura. Então paro, por mais cinco minutos, para pensar no que escrever.

O texto, a priori, seria sobre a viagem que fiz ao Espírito Santo, na semana passada, mas o mundo não orbita em meu umbigo (quando ele assim o fizer, escrevo). Depois, pensei em algo mais clichê e previsível, o ano novo, mas já tem muita gente escrevendo sobre, utilizando sinônimos e metáforas demais. Então, depois de muito pensar (uma hora e meia, para ser exata), decidi que não quero decidir nada. Está tarde, estou insone e não quero ser chata. Vai ser como precisa ser. Continuar lendo

A sabedoria dos pássaros

day_seventeen_by_mary_by-d53xbhp

Entender, nem sempre, é necessário. Às vezes experimentar é fundamental. Alimentar os sentidos.

Não saber pode ser o melhor passo a ser dado na caminhada evolutiva.

Talvez, estejamos querendo saber demais, correndo mais do que as pernas podem suportar.

Todos nós somos crianças teimosas e birrentas quando a vida não nos deixa ver o que há do outro lado da porta existencial. Continuar lendo

Em si

Ela não é o tipo de mulher que chora,

mas suas dores estão todas catalogadas por dentro

e ela as carrega sem reclamar.

Sabe respeitar o tempo de cada coisa,

a mudança do tempo,

a sua própria natureza e reconstruções. Continuar lendo

Texto curto de desculpas

image

Sei que estraguei as coisas, de alguma forma. Vou me arrepender. Aliás, já estou me arrependendo. É que eu nunca acredito que o Universo conspira a meu favor. Sempre acho que as coisas boas são uma espécie de pegadinha do Destino. Eu não sei bancar o meu lado feliz e surpreso. Parece que ser metódica e solitária é uma vantagem pessoal. Então, quando alguém se dispõe a sentar ao meu lado e perguntar sobre mim, desconfio. Mas saiba que, todos os dias, antes de dormir, eu faço planos. Refaço-os, acreditando que serão concretizados um dia. Chego a me pegar sorrindo. Mas penso no quanto sou boba, imatura e disforme para realizar o que quer que seja, então viro pro lado e apago a luz. Eu não quero que você saia da minha vida, mas entenderei se um dia fizer (ou se já o fez). Só queria que soubesse que, do lado de cá, nada mudou. A vontade ainda é maior, mesmo eu sendo tão pequena pra você.

Boa noite e boa semana.

Aryane Silva

Contando estrelas

bright_young_minds__31_365__by_daphneng-d5tckzn

Eu queria dizer para ela que aquele cara não queria nada sério, mas o meu jeito de falar é meio grosseiro e nunca achei a medida exata para não magoar. Todas as vezes que conversávamos, ela me contava algo que ele tinha dito e eu sabia se tratar de mais uma faixa no disco arranhado de sua vida sentimental. O mesmo roteiro, mesmas atitudes, mesmo derretimento vazio, mesmas promessas. Mesmo fim. Ela me contava com a boca cheia de esperança e eu ouvia, com o coração cheio de tristeza em ver uma amiga tão querida passar noites em claro por alguém que não merecia sua insônia. Continuar lendo